Alimentação e saúde mental: qual a relação entre elas?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

Para promover maior estabilidade emocional, é preciso ficar atento a maneira como nos alimentamos. Isso porque os alimentos influenciam não só a nossa saúde física, mas também nossas emoções. Alimentação e saúde mental caminham juntas e é fundamental sabermos a importância dessa relação para promover melhoras na nossa qualidade de vida.

Ter uma rotina alimentar pobre em nutrientes e a base de comidas processadas, como os refrigerantes e os alimentos industrializados, pode influenciar no mau funcionamento da mente. Uma alimentação balanceada, rica em proteínas e fibras, é capaz de evitar doenças, como depressão, ansiedade e quadros de crise do pânico.

Neste post, falaremos sobre as consequências de uma má alimentação para a mente e dar dicas de alimentos que favorecem a saúde mental. Confira e boa leitura!

A relação entre alimentação e saúde mental

Com o passar do tempo, cresceu o número de pesquisas que fazem associação entre nutrição e transtornos mentais. Doenças como a depressão podem estar relacionadas a um padrão alimentar inadequado. Desta forma, além de causar doenças cardíacas e endócrinas, uma má alimentação pode comprometer também a saúde psicológica do indivíduo.

Portanto, o que você escolhe para comer não afetará apenas suas medidas, mas também o que você sente e pensa. Ter uma dieta saudável e balanceada é uma forma de fazer nosso cérebro responder melhor às questões do dia a dia e evitar diversas doenças.

Alimentos que pioram a ansiedade

Existem alguns alimentos que podem aumentar a ansiedade e devem ser evitados, principalmente, nos momentos de crise. Confira os principais na lista abaixo.

Açúcares

É um dos maiores vilões e está associado os quadros depressivos e ansiolíticos. Isso porque o aumento dos níveis de glicose no sangue afeta o crescimento de neurônios, ou seja, faz o cérebro funcionar abaixo da capacidade normal, aumentado o risco de diabetes, colesterol alto, depressão e demência.

Adoçantes artificiais

Os adoçantes artificiais possuem aspartame, substância que provoca efeitos similares ao açúcar no organismo, e bloqueia a produção de serotonina, o neurotransmissor responsável pelo prazer e humor.

Bebidas alcoólicas

Não é novidade que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode levar a quadros de doenças, como a depressão. No organismo, o álcool consegue diminuir as funções do sistema nervoso central, responsável por estimular nossas emoções e sentimentos.

Comidas tipo fast food

Os alimentos vendidos no fast-food são sempre muito saborosos. Porém, consumir exageradamente esse tipo de comida pode levar a quadros de depressão, ansiedade e obesidade. Assim, pessoas que possuem uma dieta rica em frituras e gorduras ruins têm tendência a desenvolver problemas psicológicos.

Gorduras trans

Além de aumentar o risco de infartos e diabetes, a gordura trans também é prejudicial para a saúde mental e pode aumentar a ansiedade e os quadros de depressão. Ela está presente em alimentos industrializados, como salgadinhos, biscoitos recheados, sorvetes, maionese, pipoca de micro-ondas e nos pães.

Alimentos ricos em sódio

Alguns alimentos são ricos em sódios e precisam ser consumidos com controle, entre eles: carnes processadas, temperos e sopas prontas, vegetais enlatados, salgadinhos, bolachas, margarinas e manteigas. O excesso de sal pode desencadear problemas cardíacos, pressão alta e aumentar os sintomas de ansiedade e depressão.

Cafeína

A cafeína em excesso pode afetar o sistema nervoso e a saúde mental, causando insônia, taquicardia, ansiedade, tremores, palpitações, dores de cabeça e náuseas. Além disso, ela pode levar a mudanças de humor e potencializar os sintomas da depressão.

A importância de adotar uma alimentação saudável

Ao adotar hábitos alimentares saudáveis, várias doenças podem ser evitadas, como obesidade, câncer, diabetes, anemia, hipertensão e distúrbios hormonais. Além disso, uma alimentação balanceada é capaz de melhorar a circulação, prevenir o envelhecimento precoce, combater o estresse, a depressão, a insônia e a ansiedade.

Ter uma alimentação saudável é essencial para o bom funcionamento do nosso sistema imunológico e para garantir bem-estar e longevidade. Quando a alimentação e a saúde mental estão em equilíbrio o indivíduo goza de mais disposição para realizar suas atividades diárias, além de ter a autoestima melhorada.

Nutrientes que afetam o humor

Aumentar o consumo de peixes, frutas e líquidos, além de diminuir a ingestão de açucares, álcool e cafeína, pode melhorar quadros de instabilidade emocional, ajudando no combate a depressão, ansiedade e crises de pânico. Os principais nutrientes que ajudam a melhorar o humor e a sensação de bem-estar são:

  • cálcio – mantem os ossos fortes e, em baixos níveis, podem contribuir com a depressão. É encontrado no iogurte ou leite com baixo teor de gordura, sardinha, ricota, queijo e couve;
  • cromo – ajuda a metabolizar os alimentos e aumenta o nível de serotonina no cérebro, regulando as emoções e o humor. Está presente na batata, nozes, brócolis e peito de peru;
  • ácido fólico – auxilia na regulação da serotonina e no tratamento de depressão. Pode ser encontrado no espinafre, feijão-fradinho, abacate, fígado bovino e aspargos;
  • ferro – equilibra os níveis de energia, ajuda na força muscular e está presente na soja, lentilha, aveia e carnes magras;
  • magnésio – ajuda a desenvolver a serotonina e está nas amêndoas, granola, espinafre, quiabo, amendoim e ervilhas.

Ômega 3 e o cérebro

O ômega 3 é fundamental para os neurônios e a falta desse nutriente pode causar doenças neurológicas, como depressão, perda de cognição, autismo, Alzheimer, Parkinson e até levar a dificuldade de aprendizagem. O DHA (ácido docosahexaenoico) é um dos ácidos graxos presentes no ômega 3. Ele é responsável pelo desempenho cognitivo e cerebral, fortifica a mente e auxilia no tratamento de enxaqueca, demência e depressão.

Além disso, o DHA melhora a circulação cerebral, diminui o estresse dos neurônios e é um antidepressivo natural. Alguns alimentos, como peixes, linhaça e chia, são ricos em ômega 3, mas também existem produtos que auxiliam na suplementação desse nutriente. Para isso, consulte um nutricionista para definir a melhor dieta suplementar conforme suas necessidades.

Portanto, uma rotina alimentar inadequada pode levar ao desenvolvimento de doenças sérias, além de comprometer o desempenho profissional e pessoal do indivíduo. Por isso, alimentação e saúde mental devem estar alinhadas para garantir bem-estar e qualidade de vida ao indivíduo. Mude pequenos hábitos e tenha mais disposição para realizar as tarefas diárias.

Dr Rayane Pimentel

Dr Rayane Pimentel

Nutricionista
Nutri Advisor - Central Nutrition
@rayannepimentel.nutricionista

Você também pode gostar