Inflamação intestinal: conheça as principais informações sobre o assunto

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

Uma inflamação intestinal fica caracterizada por sintomas que envolvem mal-estar da região abdominal e irregularidade (ou anormalidade) durante a evacuação. Dores abdominais e diarreia, por exemplo, são dois dos sinais mais claros e comumente observados.

Esses sintomas podem ser intermitentes ou estarem associados a outros, como sangue nas fezes. Diferente de outras condições clínicas, uma inflamação intestinal pode ter origem variada, podendo ser bacteriana ou, até mesmo, ser proveniente de alguma síndrome ou particularidade do organismo do indivíduo.

Entretanto, na maioria dos casos, é possível traçar uma relação com a alimentação nos casos que costumam passar por problemas intestinais. Com uma dieta equilibrada e individualizada, você consegue aliviar ou prevenir os sintomas por completo.

Abaixo, falaremos mais sobre esse problema e como você pode fazer a prevenção de forma segura. Ficou interessado? Continue a leitura!

Como a inflamação intestinal ocorre?

Para a maioria dos casos, uma inflamação intestinal pode ocorrer por conta de uma má digestão. Alimentos processados e ricos em conservantes podem irritar o intestino, o que causa mal-estar e alguns dos sintomas que mencionamos.

Deve ser informado que, dificilmente, essa inflamação ocorre da noite para o dia. Com a repetida escolha de alimentos ruins ou de baixa qualidade, esses sinais começam a aparecer.

Contudo, precisamos informar que boa parte das inflamações do intestino ainda não apresentam causa totalmente aparente. A medicina — especialmente no Brasil, onde faltam estudos sobre o tema — continua a buscar por respostas eficientes para conseguir solucionar o problema.

Para quem busca por sintomas e tem dúvidas sobre eles, veja abaixo alguns dos mais comuns:

  • dor abdominal (aguda ou intermitente);
  • diarreia (com ou sem sangue);
  • perda de peso;
  • desnutrição.

As pessoas que sofrem com inflamações intestinais de forma intensa também podem ter variações em outras partes do corpo, como pele, articulações, olhos, boca, fígado e vesícula biliar.

Por essa razão, é imprescindível ir ao médico e fazer um check-up de rotina para conseguir descobrir a causa da doença. Normalmente são exigidos um exame de sangue, de fezes e uma colonoscopia para casos mais graves.

Como aliviar os sintomas ou evitar as inflamações intestinais?

A princípio, não existe uma resposta universal para esse problema. Contudo, sabe-se que a alimentação equilibrada costuma causar efeitos positivos naquelas pessoas que sofrem com algum problema intestinal.

A melhor alternativa é cortar quase que por completo o consumo de alimentos processados. As proteínas processadas, em especial — como o hambúrguer de supermercado — costumam ser as mais relacionadas a esses problemas de digestão.

Por isso, o ideal é evitar ingeri-las por algumas semanas para ver a diferença. Uma boa troca é optar pelas carnes brancas, como aves e peixes, para ter uma digestão mais leve e sentir menos desconforto durante o dia.

Com essa troca, é possível esperar e observar melhoras no quadro clínico, mesmo que eles não se resolvam por completo. A ingestão de alimentos ricos em fibras, como carboidratos integrais, também é outra forma eficaz de conseguir amenizar o quadro.

As fibras possuem importante papel na digestão e devem ser consumidas regularmente para manter o bom trânsito intestinal. Eliminar laticínios — especialmente o leite — também é outra forma de aliviar os sintomas.

Frituras e alimentos ricos em gorduras também devem ser moderados para facilitar a digestão e eliminar o estresse sobre o sistema digestório. O álcool e o consumo excessivo de açúcar são outras restrições iniciais para quem sofre de inflamações intestinais.

Ao comer frutas, opte sempre por aquelas que você sabe a procedência e evite comer verduras e legumes fora de casa — especialmente em restaurantes que você não conhece a higienização.

E, como dica extra, procure comer em horários específicos e de maneira fracionada para não sobrecarregar seu sistema digestório.

Quais são os alimentos que ajudam a aliviar o sintomas?

Agora que você já sabe o que não comer, chegou a hora de falarmos sobre quais são as melhores alternativas para manter a boa saúde.

Os alimentos abaixo podem ser incluídos na sua alimentação sem nenhum tipo de dificuldade. Eles são facilmente encontrados e estão relacionados com o bem-estar geral do organismo por conta da sua composição nutricional. Veja quais são eles.

Alimentos ricos em fibras

Todo e qualquer alimento rico em fibra é bem-vindo. Como mencionamos acima, esse nutriente é essencial para o intestino.

Para quem tem uma dieta que prioriza os grãos como carboidratos, podemos mencionar a aveia, o arroz integral e a linhaça como alguma das principais fontes. O macarrão integral e demais produtos semelhantes também são ricos em fibras e importantes para a manutenção do trânsito intestinal.

Na parte das frutas, nós temos duas opções para selecionar: as frescas e as desidratadas. Na parte das frescas, a laranja, o abacaxi e a ameixa são algumas das melhores alternativas, enquanto nas frutas desidratadas temos o damasco, a uva e a ameixa preta.

Hortaliças como o alface, o brócolis e a rúcula também são bem-vindas, desde que ingeridas em casa e com higienização prévia. Por fim, as leguminosas como feijão, grão de bico e e lentilha também podem auxiliar no seu bem-estar.

Como você pode ver, não faltam boas escolhas. Não esqueça de fracionar as quantidades e comer devagar para facilitar ainda mais sua digestão.

Suplementos alimentares

Como mencionamos anteriormente, as carnes vermelhas — especialmente as processadas — devem ser evitadas a todo custo. A preferência, na parte das proteínas, são as carnes brancas.

Além delas, nós podemos mencionar o ovo (preferencialmente cozido) e os suplementos à base de aminoácidos essenciais e fibras, como alternativa para quem precisa de maiores quantidades de proteína. O AMINNU (sem lactose, sem glúten, sem soja e sem sódio) é uma das melhores alternativas, assim como o GUARDIAN, que é um suplemento à base de vitaminas, minerais, aminoácidos, fibras e leveduras , o qual tem uma fácil digestão e absorção pelo organismo.

Essas duas opções podem ser importantes para quem prefere uma fonte prática para a rotina, lembrando que esses suplementos não devem ser utilizados como fontes principais na sua alimentação. Não podemos deixar de informar que a ingestão de proteína é essencial para manutenção do bom funcionamento do metabolismo.

Por fim, existem os probióticos, que são excelentes para regular a microbiota intestinal, composta por micro-organismos (como bactérias) que auxiliam nossa digestão. Sua suplementação pode trazer benefícios positivos para as pessoas com problemas intestinais.

Contudo, é interessante pedir orientação médica e a de um nutricionista para saber se o uso é ou não interessante, pois a prescrição costuma variar de caso para caso. Seguindo todas essas orientações, os seus sintomas de inflamação intestinal terão grande melhora e, possivelmente, podem ser prevenidos por completo.

Gostou do post? Compartilhe-o nas redes sociais e ajude a espalhar essas informações na internet. Lembre-se que mais pessoas podem estar precisando dessas dicas!

Dr Rayane Pimentel

Dr Rayane Pimentel

Nutricionista
Nutri Advisor - Central Nutrition
@rayannepimentel.nutricionista

Você também pode gostar