Saiba o que significa e quais são os 3 principais sintomas de triglicerídeos altos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

Os sintomas de triglicerídeos altos não costumam aparecer na maioria dos casos. Esse é um problema que causa danos ao organismo de maneira silenciosa, sendo identificado apenas em exames de rotina e se manifestando quando há complicações mais graves.

Por isso, é importante ficar atento para buscar ajuda médica o mais breve possível. Os triglicérides ou triglicerídeos se referem às reservas de energia do corpo utilizadas pelos músculos. Quando não aproveitadas dessa forma, são armazenadas no tecido adiposo, transformando-se em gordura.

Neste artigo, vamos explicar o significado de ter triglicerídeos altos, bem como suas causas, exames de diagnóstico, tratamentos e os principais sinais que podem surgir, propondo sugestões para a prevenção desse problema. Acompanhe para saber mais!

O que significa ter os triglicerídeos altos?

Os triglicerídeos se constituem de partículas de gordura no sangue, sendo frequente se apresentar elevado com os valores de colesterol. Esse tipo de alteração deve ser verificada e tratado o mais rápido possível, a fim de evitar complicações graves, como pancreatite, esteatose hepática ou aterosclerose, entre outras.

Quais são as causas da elevação dos níveis de triglicérides no sangue?

Os triglicerídeos se instalam no organismo por meio da alimentação e pela produção do próprio organismo. Assim como o colesterol, todas as pessoas têm triglicérides, no entanto, em quantidades muito altas, eles causam maior probabilidade para acidentes cardiovasculares, obesidade, gordura no fígado (esteatose hepática), pancreatite, entre outras complicações.

Na alimentação, eles se encontram em produtos ricos em carboidratos e gorduras saturadas, como açúcar, farinha branca, entre outros. Além disso, a falta de exercício físico é um dos fatores de risco, já que os triglicerídeos são reservas energéticas que, quando não utilizadas, podem levar a alterações na saúde.

Outra causa a ser considerada é a genética, pois mesmo quando a pessoa mantém uma alimentação saudável e faz exercícios físicos, o seu nível de triglicérides pode permanecer alto. Essa condição é conhecida como hipertrigliceridemia familiar.

Fatores de risco

Em geral, as pessoas com hábitos alimentares ricos em carboidratos e gorduras e/ou que não praticam nenhum tipo de exercício físico apresentam maior probabilidade para os triglicérides altos. Outros fatores de risco incluem:

  • acúmulo de gordura abdominal;
  • alcoolismo;
  • diabetes descontrolada;
  • excesso de peso ou obesidade;
  • hipotireoidismo não tratado de maneira adequada;
  • resistência à insulina;
  • síndrome metabólica.

Quais são os exames de diagnóstico?

O diagnóstico é feito por meio de exames de sangue e o valor normal dos triglicerídeos é até 150 mg/dL. No Brasil, outras faixas de valores de referência são:

  • limítrofe — até 200 mg/dL;
  • alto — acima de 200 mg/dL;
  • hipertrigliceridemia familiar — acima de 500 mg/dL.

Nesses casos, é recomendado acompanhamento médico de um cardiologista e um nutricionista ou endocrinologista para melhorar o estilo de vida, com alimentação equilibrada e adequada.

Quais são os sintomas de triglicerídeos altos?

Normalmente, as pessoas com triglicérides altos não apresentam sintomas e, por esse motivo, é fundamental realizar periodicamente exames de sangue. No entanto, alguns pacientes que possuem um nível muito elevado, especialmente por problemas hereditários, devem ficar atentos. Veja, a seguir, os 3 principais sinais que essa condição pode apresentar.

  1. acúmulo de gordura: há um aumento de gordura na região abdominal, que pode comprometer órgãos internos importantes, como o coração, fígado e estômago. Também pode afetar outras partes do corpo;
  2. surgimento de manchas brancas na retina: podem surgir manchas brancas na retina, perceptíveis em exame de olho;
  3. xantelasmas: os xantelasmas se referem a pequenas bolsas brancas na pele, que podem aparecer, principalmente, em regiões próximas aos olhos, dedos ou cotovelos.

Quais são os tratamentos adotados?

Para os casos de triglicerídeos altos (até 200 mg/dL), é indicado fazer atividade física regularmente, como caminhadas, corridas ou natação, pelo menos por 30 minutos, de 3 a 4 vezes por semana. Além disso, a alimentação deve ser orientada por um nutricionista, visando uma dieta equilibrada e pobre em gorduras, açúcar e bebidas alcoólicas.

Entre 250 e 300 mg/dL, dependendo da condição clínica do paciente, ainda é possível controlar o problema com melhoras no estilo de vida. Já para os casos mais graves, em que não é possível baixar os níveis de triglicerídeos, o médico pode prescrever alguns medicamentos, conhecidos como fibratos, que abaixam os níveis dos triglicérides e evitam o seu agravamento.

Tratamento de doenças de base

Para os casos relacionados ao hipotireoidismo e diabetes descontrolado, é possível resolver o problema tratando a doença de base. Quando a causa é hereditária, a pessoa precisa utilizar medicamentos para controle dos triglicérides de maneira frequente para o resto da vida.

É importante observar que, em todos os casos, a adequação da alimentação e a inclusão de atividades físicas regulares fazem parte dos tratamentos e não devem ser ignoradas.

Como prevenir os triglicerídeos elevados?

A principal forma de prevenir o aumento dos triglicerídeos é por meio do controle da alimentação e adoção de prática de atividades físicas. Além disso, é importante evitar o consumo de álcool e o tabagismo. A nutrição deve conter mais frutas, legumes e verduras, com menos carboidratos.

Os alimentos integrais ajudam no controle do problema. Mas isso não significa que possam ser consumidos em grandes quantidades, pois também são carboidratos e podem contribuir para o aumento dos triglicérides. Alguns produtos aumentam os níveis de triglicérides, piorando o quadro já existente ou causando o surgimento do problema, como:

  • açúcar refinado;
  • alimentos industrializados e aqueles que são feitos com farinha branca;
  • arroz branco;
  • batata;
  • carnes gordurosas;
  • frituras;
  • leite integral;
  • mandioca;
  • massas brancas;
  • produtos ricos em gorduras saturadas;
  • queijos amarelos;
  • refrigerantes.

Além de manter uma alimentação saudável e equilibrada, o controle dos triglicérides também pode ser ampliado pelo consumo de suplementos, como:

  • coenzima q10 (ubiquinona) — reduz os níveis de triglicérides e aumenta o colesterol bom;
  • ômega 3 — reduz os níveis em 30% e diminuem o risco de morte súbita por problemas cardiovasculares;
  • psyllium — o suplemento que contém essa fibra é um potente redutor de triglicerídeos e do colesterol ruim.

Como vimos, na maioria dos casos, os sintomas de triglicerídeos altos não costumam ser perceptíveis e, por isso, podem ocorrer complicações com riscos à saúde quando o problema não é detectado em tempo. Nesse sentido, é fundamental fazer exames regulares e adotar um estilo de vida saudável, com alimentação adequada, suplementos e exercícios físicos.

Gostou deste artigo? Saiba mais lendo outro conteúdo em nosso blog e entenda melhor as diferenças entre o colesterol bom e o ruim.

Dr Rayane Pimentel

Dr Rayane Pimentel

Nutricionista
Nutri Advisor - Central Nutrition
@rayannepimentel.nutricionista

Você também pode gostar